segunda-feira, 3 de agosto de 2009

Mês da infidelidade*

Aqui há umas 2 ou 3 noites atrás, ligo a televisão às 4h da manhã, essa boa hora para estar na sala a vegetar, e o que é que eu descubro na Fox Life? Um programa muito curioso chamado The Ex-Wives Club. Ora como o nome dá logo a entender, o conceito é algo tão simples como 3 senhoras/celebridades divorciadas que ajudam os participantes a ultrapassar a mágoa de terem sido traídos pelos companheiros. Participantes que, ao contrário delas, não passaram por divórcios milionários e que estão obviamente com dificuldade em avançar com as suas vidas. E o que é que estas senhoras fazem? Dão-lhes um banho de loja, uma imagem nova, exploram os sentimentos em frente às câmaras (senão a coisa não tinha piada nenhuma para nós) e levam a cabo alguns exercícios para os coitados libertarem a raiva.
Eu nunca fui muito desta coisa dos rancores. Está feito, está feito, não preciso de andar a infernizar a vida de alguém para me sentir melhor, para isso existe o karma, e acredito que cada um tem o que merece sem eu ter que me chatear muito. E isto tudo porque, no episódio que vi, havia um senhor, coitado, que tinha chegado a casa mais cedo, vira uma carrinha estacionada à porta de casa, e encontrara a mulher a chegar em grande cumplicidade com o dono da respectiva carrinha. Então e qual era um dos exercícios do programa para o senhor libertar a raiva? Precisamente, destruir a carrinha em questão! E o senhor divertiu-se, como é óbvio, que até eu me divertia a lançar carrinhas de gruas monstruosas, e sentiu-se muito mais aliviado. Mas eu fiquei com uma questão. Ora se a produção do programa comprou a carrinha ao senhor traidor para que o traído a pudesse destruir, então o traidor não sai a ganhar no meio disto? Ficou-lhe com a mulher e com dinheiro para uma carrinha nova! Mais ninguém pensou nisto?!
Não entendo esta coisa das traições. Não entendo. Já fui traída, já ajudei a trair, mas nunca traí. É coisa que não tem a ver comigo. Se sentir essa necessidade é porque algo está verdadeiramente mal na relação e não me vejo preguiçosa o suficiente ao ponto de não conseguir pegar no telefone e acabar as coisas antes de fazer o que quer que seja com outra pessoa. E acreditem, eu sou preguiçosa! A sério que não entendo. E como este não é assunto que tenha sido suficientemente abordado aqui neste canto, comprei um livro que se chama “Por que razão os homens enganam as mulheres e vice-versa” e decidi que Agosto vai ser por aqui o mês da infidelidade. Que vos parece? É que vou querer as vossas opiniões sobre o assunto...


*aposto que houve muita gente feliz a ler este título e a pensar que este era oficialmente o mês em que podia fazer o que bem lhe apetecesse sem consequências. Ai, ai, foi ou não foi? :)

34 comentários:

hacoisasqueacontecem disse...

OLAAA

ja acompanho este blog ja algum tempo e o blog q fizeste com dialkgos do teu pai...e desde de ja parabens....pois acho.os muito bons mesmo

bem inflidade é um tema q fz surgir varias opiniões , eu só da opinião q se esta com uma pessoa e se gostas dela simplesmente n tem necessidade de trair, pois o amor supera td...

mas há ainda quem pense que trair é bom para apimentar a relação(n preçebo como uma traiçao apimenta a relaçao mas eles lá sabem)
e tb ainda ha quem pensa q se pode trair desde que depois seja leal....

:D

Sara disse...

Vi esse mesmo programa!
Em relação ao programa em si, do qual não vi mais do que 10 minuto (porque, convenhamos, às 4 e tal da manhã, não importa a neura que tenhas, o que não consegues mesmo é apanhar com a neura de outras pessoas) acho que aquilo é coisa do demo. Especialmente porque, apesar d ter visto anunciado que eles iam, in fact, destruir a carrinha do outro senhor, na parte que eu vi eles estavam a dedicar-se a queimar objectos significativos, da relação que tiveram, numa grande fogueira.
Calll me crazy, mas sou incapaz de fazer tal coisa... e olhem que a minha situação actual é bem tristinha no ponto de vista relacional.
Mas nunca percebi muito bem essa necessidade de destruir lembranças... Eu realmente não tenho feitio para apagar pessoas. O que, invariavelmente, faz com que me leve muito mais tempo a esquecer uma relação mas no final fica tudo resolvido. Ai vos posso garantir que fica!
O luto é uma coisa (alguns aqui usariam uma asneira) difícil de fazer. Consome-nos. Enche-nos. Mas no meu ponto de vista é absolutamente necessário para poder move on. E não digo que é ficar agarrada a uma dor como se não houvesse amanha! Isso não é luto... é parvoíce! Mas tentar resolver-nos e dar tempo aos sentimentos para pousarem! (tenho tanto mais a dizer sobre este assunto do que pensei ou gostaria...) :s

Portanto, resumindo, uma nova imagem, uma nova roupa e parvoíces são razoavelmente terapeuticas durante umas horas, acho eu. I wonder o que essas pessoas pensam dois ou três dias depois do programa. E o meu lado mais humano (que vem sempre ao de cima quando passo por tragédias emocionais) espera que elas se sintam mesmo melhor, mas o meu lado céptico duvida...

Quanto a traições: Traí um namorado meu aos 16 como vingança de ter sido traída. É a minha única história de traição. Hoje em dia, sou incapaz de pensar sequer que isso pode acontecer. E se acontecer, acho que a outra pessoa tem todo o direito de me dar um chuto no rabioske de modo a eu só parar numa poça de lama no Bangladesh!

Shiine* disse...

NÃO POSSO COM ESSA PALAVRA SEQUER.. LONGEEEE DE MIIIIM.. !
lol

Dr Phil disse...

deixa cá ver...falta de comunicação, falta de respeito, medo de estarem sozinhos, quererem tudo ao mesmo tempo...sentimento de impunidade...ha mta gente má por ai...hehe. Não sendo um "problema" recente, é sem duvida mais apetecível trair, tal como tudo na sociedade actual, o "amor" tb é consumismo, é rapido e é para agora!

Por isso, elevem a fasquia, ao terem uma companhia de melhor qualidade sera mais dificil procurar por melhor...agora, que é duravel, nada o é....

Dr Phil disse...

btw, completamente off topic, FUI VER JAMES em Cantanhede!!! mto mto bom concerto...(foi so para picar a Belota´s..)hihihhi

Abobrinha disse...

Também já me traíram. Não foi nada agradável, digo-te. As conversas que tive depois ainda mais desagradáveis foram. Aliás, roçaram o surreal!

Não acredito que as pessoas tenham o que merecem (isso é para livros new age e de auto-ajuda), mas também desenvolvi preguiça de dar ao filho da p*** mais importância do que ele merecia. Porque senão estaria eu a trair-me de novo. Mas ainda hoje tenho que fazer um esforço de vez em quando para não submergir na dor do que ele me fez. Porque eu não merecia! Adiante!

O que acho mais giro mesmo é ficar "amigo" da criatura que nos traiu... é preciso muita falta de amor-próprio! Eu sei isso porque tentei... e depois acordei! Mas cada qual sabe de si!

Acho piada ao tema, mas... é Agosto! Não creio que o pessoal vá estar com grande pachorra para discutir traições!

pamat disse...

Assunto muito complexo(tem haver com a personalidade de cada um de nós seja homem ou mulher). Na minha pessoa brincaram com os meus sentimentos em resposta de convite, com a pessoa a pensar noutra pessoa...mas não foi infidilidade, nesse aspecto se houver infidelidade da pessoa que estiver comigo, irá morrer em todos os aspectos.
Quanto ao trair uns aos outros à que ver que somos primatas, e é ver um pouco a que genero pretencemos na natureza, isto falando biologicamente.

Mary disse...

Eu já fui traída, ajudei a trair, mas também já traí. Foi num momento diferente da minha vida: era nova e um bocadinho inconsciente e fi-lo por vingança (coisa de pita).
Hoje sou uma mulher e, tal como dizes, se algum dia sentir necessidade de fazê-lo, antes haveria um telefonema ou um qualquer tipo de contacto a avisar a outra parte envolvente.

Não concordo que tenhamos de odiar a pessoa que traiu-nos e também não censuro as pessoas que perdoam traições (apesar de considerar que, hoje em dia, não seria capaz de perdoar uma traição).
Cada um toma o caminho que achar melhor. Eu não sou amiga da pessoa que traíu-me, sou a amiga da pessoa com que tive um relacionamento, com os seus momentos bons e maus.

Miss R. disse...

ehehe não há nada como aproveitar o verao em pleno sem compromissos!! Lol

**Happy to be free**

Pipoca disse...

Parece-me muito bem, até porque estamos na silly season, que é quando há mais traições.

Le Enfant Terrible disse...

A meu ver a traição acontece sempre, um homem ou uma mulher olham para outros homens e mulheres respectivamente. Contudo uma coisa é olhar outra é chegar a vias de facto. Trair é sintoma de quem está numa relação apenas por estar, é sinal de vingança, de sacanice, que se faz ao outro apenas por ser um fruto proibido, algo de louco e perverso, um gostinho amargo. Acredito que vai do feitio de cada um, do bom senso, da predesposição. Quem trai mente ao outro porque se acha mais que outro e não em igualdade. Normalmente quem é infiel acha bem o que faz mas não tolera quando é feito o mesmo pela outra parte.

Capitão Microondas disse...

o tema é bem escolhido até porque se há meses em que o gato vai à filhós é no verão.

Quanto a não perceberes e a ser relativamente fácil... isso aplica-se bem a relações sem grandes attachments. Agora imagina-te uma mulher casada há 10 anos, com filhos, em que o marido já não te liga nenhuma, não queres por diversas razões (incluindo ainda gostares dele) colocar tudo isso em causa por umas quecas, e de repente tens um tipo atraente, que é mesmo o teu número, a por-se a jeito.

Aí quero ver se achas fácil :)

Anónimo disse...

Posso pedir um post?

Sobre pessoas que se metem com gente que sabem de antemão que é comprometida.

Gostava muito de ler um post teu sobre o assunto. Muito obrigada.

Cat*

Anónimo disse...

Olá a todos!

Não vou mentir! Não leio o teu blogue há muito tempo… Encontrei-o por acaso numa das minhas visitas à net e gostei. Adicionei-o aos favoritos e, de vez em quando, dou uma espreitadela…

Este tema é, como dizia o outro (seja ele quem for), um bom tema!

Temos, ainda, a ideia que o homem é um traidor nato e a mulher não o faz com tanta frequência.

Já fui traída, já ajudei a trair e já traí.

Acho que a diferença entre homem e mulher neste campo é o facto de as mulheres saberem como fazer as coisas… Não estou a dizer, com isto, que as mulheres são mais inteligentes… Só acho que as mulheres conseguem medir os seus actos e serem mais calculistas.

Ninguém gosta de ser traído. A mim doeu-me muito! 1 ano e meio de relacionamento e, no fim, vir a saber que durante esse período “havia outra” foi uma dor que não desejo a ninguém. Esse não levou nem uma lágrima minha!

Ninguém gosta de trair. Quando o fiz não consegui dormir durante algum tempo e pensei muito em contar, mas, confesso, não o fiz!

Quantas relações que nós conhecemos como estáveis, felizes, sólidas, não se mantêm de pé por causa de uma ou outra escapadela?

Relações duradoiras têm o problema da monotonia, do comodismo, do “ser mais do mesmo”. Cada casal deve sempre conseguir ser criativo, inesperado e inovar. Mas nem sempre é fácil fazê-lo.

Quando fui infiel não foi por vingança, despeito ou algo semelhante. Fui porque a nossa relação estava morna. Não foi premeditado. Aconteceu. Senti-me mal no momento seguinte…

Não me martirizo por isso. A verdade é vou casar este ano com a pessoa que traí e não minto se disser que se esse episódio não tivesse acontecido, provavelmente hoje não teria a certeza que ele é o homem da minha vida.

Beijinhos a todos, em especial à autora deste blogue.

Margarida

complex_idades disse...

Bem, andamos em sintonia! Escrevi sobre esse assunto também (comple_idades.blogs.sapo.pt)Acho que traição é um daqueles assuntos top secret: todos(pelo menos) pensámos em alguma altura fazê-lo, mas admitir isso é que nunca!E justificações como vingança, ser-se burrinager, whatever, não amenizam o acto! Não é menos traição por isso! Agora, a verdade verdadinha é que trair começa a ser bastante comum! Não precisamos ir longe: basta ver aqui quantos admitiram tê-lo feito ou ajudado a fazer =) Funny, right? O pior é que desconhecemos o dia de amanhã, e a vida revela tantas lindas surpresas... Beijocas

Anónimo disse...

Isso do karma é engraçado! Há uns anos namorei um gajo durante mto tp! Até ao dia em q ele se chegou ao pe de mim e me disse q tinha conhecido outra pessoa há um mês e que ia atrás ela. Passada uma semana já andavam. O giro é que há cerca de 6 meses lhe aconteceu exactamente o mesmo.Ele tinha uma namorada (já outra), e a fulana trocou-o po um gajo que conhecia há 15 dias! E ele ligou a dizer-mo! Acho que passei a acreditar em karma!
bj

sofia

Belota disse...

Dr Phil

James em Cantanhede?? Então mas se eles já andam por cá, podiam fazer uma paragem aqui por casa para um concerto especial... Calha em caminho para o Algarve e tudo! :D

(eu vou já ver esta sexta-feira, tb não falta muito)

Belota disse...

Abobrinha,

sei que é difícil, mas não vejo problema nenhum em ficar amiga de ex-namorados, mesmo os que trairam. Acho que se ele me trair como amiga, nesse caso não preciso de um amigo desses, mas de resto separo muito bem as coisas. Relação outra vez é que nem pensar.
E acredito em karma sim senhor! Não no sentido esotérico da coisa, mas antes na ideia de que quem faz porcaria faz mais que uma vez, e se eu não me vingar alguém o fará. Acho que temos sempre o que merecemos, não porque sim, mas porque aquilo qe recebemos provém sempre das nossas atitudes.

Em relação a não ser um grande mês para se falar de traições, bah, és capaz de ter razão, se calhar é um mês tão bom como outro qualquer... Ou se calhar, vendo bem, até é um mês melhor, é que estão aí as férias, o calor, o álcool nas noites boas, as roupas mais diminutas, nada disto deve ajudar muito :S

Belota disse...

Só li agora o comentário da Mary, explicava exactamente aquilo que eu também penso sobre manter a amizade com quem traíu. Muito bem explicado.

Cat, do ponto de vista feminino, a atracção por alguém comprometido é muito fácil de explicar. Será um post muito em breve.

Margarida, bom ponto de vista em relação à diferença entre um homem e uma mulher infiéis. Temos modos diferentes de fazer as coisas. Bem, lá será outro post também!

Complex_idades, comentei o último post mas não encontrei o original sobre as traições (se calhar sou só naba, mas envia aí o link sff :) )

Sofia, estás a ver? Estás a ver? :D

Tilt disse...

Ou seja...

Se neste verão meter conversa com uma mulher que até tá com uns copitos a mais e até está a ir na conversa...
Eu quero saber se ela tem namorado... Ou não e vai ser uma grande noite e saber nomes é opcional?

Relembro as palavras de um grande sábio grego:

"Aquele que tem hipóteses de cometer uma acção considerada negativa pela sociedade e que sabe que nunca será apanhado...Senão o fizer: é um idiota!" - mais ou menos por estas linhas

To cap it all: trair não vale a pena. Se é para trair uma relação, mais vale é acabar, nem que seja por msn. É mais respeito acabar do que colocar no (ex) parceiro(a) um par de armações (que depois atrapalham a passar pelas portas)

Make love, not war

Complex_idades disse...

Ahahah! *Nés nada naba! =) Tinhas de me deixar a rir =) ehehe!
Fica o link do TAL post: http://cople_idades.blogs.sapo.pt/1473.html Enjoy it!

complex_idadea disse...

UPS! Sorry! Comi uma letrinha! ;)http://comple_idades.blogs.sapo.pt/1473.html

Ms. Myself disse...

Eu não sei, mas esse programa é fixe! Eu curti ver uma gaja, em que o ex-marido adorava mais o carro que ela e então meteram o carro num aviao e atiraram-no a 10000 pés ou metros ou lá o que era de altura pro chão e fez um PPUUUMMM muito engraçado! Ou então espalhar gasolina num lago com um barco e o barco fez PPPUUUMMMM... LOL Eu só gosto dos PPUUMM's!

Isto de acordar a meio da noite e nao voltar a adormecer e ver programas da caca tem de acabar! :p

Abobrinha disse...

Belota

Para mim a traição é das piores coisas. Possivelmente estou a falar da minha própria experiência. E o que mais me doeu foi como a coisa foi deliberada... desde o início. Isso e o facto e ele nunca ter assumido o que fez magoou-me muito!

Assim, o ter mesmo que me afastar é mesmo só para não lhe dar hipótese de me magoar mais. A prova foi que este post fez-me pensar na situação e sentir-me triste com o que me aconteceu. Mas foi bom: mostrou-me que não posso baixar a guarda. E eu segui em frente.

E sim, tenho alguma esperança que um dia alguém lhe faça pagar em dobro o que ele me fez. Mas não muita...

Compicações disse...

Olá Belota,

Há muito que acompanho o blog, mas esta é a primeira vez que comento. é um tema complicado e que ninguém pode dizer que "desta água não beberei". Fosse tudo tão simples éramos simples robots programáveis para amar e ser fiel segundo as definições do "Software".

Por vezes podemos ser felizes (ou pensar que somos) e de um momento para o outro tudo se pode alterar.

Posso amar o meu companheiro e sentir falta de ser seduzida, porque confesso que gosto de um bom jogo de sedução.

Posso amar o meu companheiro e sentir que a rotina está a desgastar a nossa relação e nem um nem outro sente que consegue contornar a situação. P

osso vive uma vida e nunca ter a certeza do amor e em 5 segundos um olhar estranho alterar tudo…

Se tudo fosse tão simples a vida seria feita de “Happy Ends”

O Vizinho disse...

Belota,

Creio que talvez não tenhas sido totalmente sincera quando dizes que nunca traiste... Mas se calhar sou eu que estou a ser "fundamentalista".

Há quem considere que trair tem que haver sexo... Eu não considero assim. Por vezes sem sexo ha uma traição muito maior do que quando há cama! Agora, também digo que há "coisas" que não contam!

Por exemplo, em tom de brincadeira digo sempre que se algum dos dois estiver do outro lado da fronteira (seja ela qual for) então isso não conta pra um parzinho deles

Mais do que isto... deixo ao teu critério :D

Beijos e Parabens pelo blogue

O Vizinho

MRP disse...

Trair a confiança que nos foi confiada revela acima de tudo uma grande falta de carácter.

E mesmo que se argumente que poderá haver razões que justifiquem omitir ou ocultar essa traição, elas nunca podem servir para desculpar o acto em si nem minimizar as suas implicações morais.

O relativismo excessivo, o individualismo e a ligeireza com que cada vez mais se encaram as relações entre as pessoas começa a ser verdadeiramente assustador.

Anónimo disse...

É curioso reparar em certas respostas a este tema, que ainda conseguem "arranjar" motivos para uma eventual traição.

De facto como tambem já foi mencionado, a traição parte da personalidade e caracter de cada um.Era o que faltava, só porque a minha relaçao está monotona, já tenho motivos para trair.Realmente se é assim que pensam(alguns) então nao podem criticar quem faz.

Pois traiçao premeditada ou acidental, o efeito é sempre o mesmo. Nunca traí e afirmo que nunca irei trair.Conheço-me o suficente para afirmar uma coisa desta, pois faz parte da minha maneira de ser e estar na vida.Acima de tudo é uma questao de principios e valores.De me sentir bem comigo proprio e possuir uma consciencia leve.

Saudaçoes

Complicações disse...

Desde já peço desculpa por me apoderar do espaço da Belota mas não poderei deixar de "comentar o comentário" da(o) anónimo(a.

Não me parece que alguém esteja a "arranjar" desculpas para trair. Estamos apenas a opinar sobre um determinado assunto. Nada serve de desculpa porque as acções ficam para quem as pratica e apenas dizem respeito a quem traiu e a quem foi traído.

Não sejamos hipócritas e não utilizemos o carácter como bandeira de campanha.

Se reflectirmos um pouco, formos realistas e deixarmos de ser hipócritas chegamos à conclusão que é completamente imprudente utilizar a expressão "Eu nunca irei.."
Eu não posso dizer que nunca matarei... (matarei se for em legitima defesa..)
Eu nunca posso dizer que nunca roubarei...(roubarei para comer e em caso de desespero...)
Eu nunca posso dizer que nunca irei trair.. (não sei quais as circunstancias mas qualquer uma delas é válida...)
Nem eu, nem ninguém sabe o dia de amanhã. Não sei as voltas que a vida dá... mas garanto que são muitas...

Não se trata de integridade. Trata-se de sermos honestos com nós próprios… Só assim poderemos ser com os outros.

Como costumo dizer as únicas certezas que tenho é a morte até pq já nem os impostos são certos…

Belota disse...

Hey, este espaço não é meu! Aqui nos comentários é nosso! Por isso é que nem há moderação. Sozinha isto não tem piada nenhuma. Manifestem-se para aí!

Anónimo disse...

Acho que é capaz de ser mais proveitoso trair, sabem?
Tive uma relação muito longa, o tipo com quem estava - que eu adorava, diga-se! - estava assim para o a borrifar-se para mim. Pedi muitas vezes que pensasse no que queria e se de facto era comigo que queria estar. Pois que era, sim senhora.
Surgiu uma terceira pessoa, amigo de ambos e surgiu uma confusão em mim.
Pedi um tempo, expliquei o que se passava.
Quando calrifiquei as ideias percebi que só me senti atráida por aquilo pela atenção que ele se recusava a dar-me.
O tipo diz que sim , que ainda gosta de mim e que sente muito a minha falta. Quando quis voltar apresentou-me a nova namorada, disse-me que sim eu tinha razão há uns anos que já não gostava de mim e ficou com a casinha que eu mobilei, giro hein?
Mora da história pessoal: ser honesta e recta para quê? Não compensa.
Um dia vou saber ser de outra maneira.

Parabéns pelo Fantástico blog.

E*

Complicações disse...

É verdade...Agradeço a liberdade de expressão que nos é conferida, ainda que possa ferir algumas susceptibilidades.

Já agora: Parabens pelo Blog :)

Abobrinha disse...

Bem... já não está aqui quem falou quando disse que o pessoal em Agosto não ia comentar muito este tema.

Só tenho uma achega em relação a o pessoal armar-se em superior e "ah, e tal, eu nunca faria". Uma amiga minha casada e bem a dada altura sentiu vagamente a tentação. Sábias palavras dela: quem diz taxativamente que nunca seria capaz de trair e leva a relação por garantida está no bom caminho para trair mesmo!

Nada é garantido! Uma relação é construída. Mas uma coisa é escorregar na calçada. Outra é ter um feitio que não só tolere como cultive a traição.

Belota disse...

Anónima E,

trair não é o mais proveitoso e fizeste tu muito bem em teres sido recta e honesta. O problema já o denunciaste tu quando referiste que ele estava a "borrifar-se" para ti... :(

Complicações
Obrigada!

Abobrinha
Quem diria que afinal os comentários iam disparar! lol Gosto do teu último parágrafo e subscrevo. Há acidentes de percurso por diversas razões (toleráveis ou não) e há quem o faça por feitio e porque já se habituou. E de facto não é bem a mesma coisa...