terça-feira, 7 de abril de 2009

O cavalheirismo morreu ou nós é que o assassinámos?

Não percebo o que fazem homens a observarem a roda do meu carro, a olharem para mim de seguida com cara de caso, e a afastarem-se, incapazes de me dizer que tenho o pneu em baixo. Não percebo quando se forma aquele impasse à porta, e eles esperam que passemos primeiro, mas não consideram abrir-nos a porta sequer. Não percebo quando nos convidam para sair e nos perguntam a que horas lá chegaremos. Não percebo por que é que tudo isto era inaceitável há umas décadas atrás, mas com o tempo acabámos por afastar os homens para provarmos o quão independentes somos. Não percebo que só porque queimámos uns soutiens e batemos nuns tachos e panelas, achamos que temos que ser mais e que não precisamos deles para nada. Se calhar não precisamos. Da mesma forma que o meu corpo não precisa de chocolate para sobreviver. Mas se o tiver fá-lo com muito mais prazer. Percebo apenas que, eu, pelo menos, não estou preparada para abdicar desse prazer.

18 comentários:

Walter Fane disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Walter Fane disse...

CLAP CLAP CLAP!!!
Se todas pensassem como tu, o mundo era bem melhor... para todos;)))

No meu mundo mágico disse...

Apoiada!!!!!!!!

Bj

Fada disse...

Acho que o cavalheirismo não morreu... Mas anda maltratado.
Juntamente com a educação, no geral.

Muitos homens deixaram de nos tratar como princesas, pois nós, mulheres, também nos portamos "abaixo" de princesas...
Outros, simplesmente não sabem ser educados ou entendem isso como mariquices.
Outros ainda, ficam com receio que abusemos...

Sei lá...

Eu gosto quando as pessoas se tratam bem e com educação. Não custa nada pequenos gestos: um "boa tarde" sorridente à sra que nos atende na caixa do hipermercado, e que está lá há horas e continua com um sorriso para todos, um "bom fim de semana" ao sr da portagem (que até se surpreende muitas vezes com a atitude), um "abrir a porta" a pessoas que vão carregadas ou têm crianças pela mão, um "deixar passar è frente" na caixa, quando vemos que a pessoa está com muito mais pressa que nós... Etc etc etc...

As pessoas, no geral, Belota, andam mal-educadas, egoístas, querem tudo mas sem dar nada...

Nós não assassinámos nada. Se formos educadas, também o serão conosco. :) Se nos portarmos como princesas, seremos tratadas como tal... E se não nos tratarem assim... "Andor, que se faz tarde!" :p

Beijitos

Anónimo disse...

Bem,
A verdade é que verdadeiras mulheres, das que ainda esperam que lhes abram a porta, não são muitas. Eu tive uma namorada que me disse uma vez: És um verdadeiro cavalheiro, um verdadeiro gentleman, mas não consigo aquecer os pés contigo! Ela deixou-me, desperdicei tempo, e olhe que não era a princesa ervilha.

Talvez já tenhamos nascido assim (nós homens) nestes tempos contemporâneos, sem carinho e desejos proteccionistas para com as Damas que não conhecemos, mas também vocês nascem hoje sem essa expectativa, e sem essa vontade de distinguir quem o faz. Ainda hoje, me acontece, pensar quando faço algo do género, e eu sou sempre retribuído não me posso queixar, que se calhar é uma perca de tempo, e que só o faço por ser um condicionado culturalmente, educado para ser um machista irrepreensível, por ainda achar que temos esse dever, mas a realidade é que faço por prazer, porque gosto. Acredito que quando o faço a maioria das mulheres, também aprecia, e é uma forma de certa maneira, distribuirmos atenção todos uns aos outros, algo que sem estas regras de há décadas, seria muito pior, a alienação social. Persevere Belota, quem a desejar, certamente não a tratará pior do que uma rainha, os imbecis que olham para o seu pneu furado, são boçais, merecem lá um olhar sequer.
Abóbora

Sophie disse...

Sou da opinião que em grande parte fomos nós que o matámos.
Muitas das mulheres nem deixam que o homem lhes abra o frasco de azeitonas.
a resposta é "Eu consigo sozinha"
Parece que existe essa necessidade enorme de provar que se consegue.
Eu pessoalmente gosto muito de ter o homem por perto, mas não tão perto que não me deixe espaço para ser 'eu'.
Basta apenas que as mulheres em geral consigam esse meio termo.

Miss Mau Feitio disse...

E sabe bem não é?

Saltos Altos Vermelhos disse...

sabes belota, acho que tem mais haver com educação do que outra coisa! Ainda há homens muitoooo cavalheiros! São é raros lol

Calimero disse...

Não o matámos, mas está em coma.....e engraçado, agora que demos uma sova ao cavalheirismo que o íamos matando, estamos placidamente sentadas à beira da cama, a ver se ele sai do coma...

Eu mesma! disse...

Eu confesso que gosto de determinados detalhes do cavalheirismo...

gosto que um homem me abra a porta... gosto de determinados detalhes que um cavalheiro faz sem ser demasiado exagerado ou nos tratar como se fossemos inválidas...

tudo depende mesmo da forma como a coisa é feita!

A mamã disse...

eu custumo dizer: já não se fazem homens como antigamente ...

Pipoca disse...

Belota, onde é que eu assino para reavivarmos o cavalheirismo?

Peter Mary disse...

Matar não mataram... mas lá que levou uma grande porrada levou :)

... e tambvem acho que esta na mãos delas voltar ou não.

Se bem que para metrosexuais e afins a coisa parece irremediavelmente perdida LOL

Bjs

Fernando disse...

Hmmmm... basta deixar de lado os bad-boys e começam a ver que o cavalheirismo ainda anda por aí...

... está disponível e recomenda-se!

Laredo disse...

É certo que a sociedade actual, não está para grandes gestos (nem pequenos)a favor de outrém, de forma gratuita e desinteressada, e quanto ao cavalheirismo, esse acho que foram vocês mesmas que o puseram em coma.
É o medo de levar a boca foleira ou de ser olhado de lado, da parte da interessada nos tais gestos cavalheirescos.
E não ajuda muito, saber que o cavalheiro, confunde-se por vezes com a imagem do Cavaleiro (grande Conde de Montanelas)...

Laredo disse...

Mas não desesperam, as ferverosas adeptas do cavalheirismo, porque mesmo correndo enormes riscos, ainda vai havendo cavalheiros...lugares sentados, é que já não!

Anónimo disse...

Não é só uma questão de cavalheirismo. É mesmo de educação. E aí estamos todos mal.
Todos os dias quando chego ao balneário do ginásio digo bom dia. Muito raramente tenho uma resposta.
Com este comportamento já não estranho quando não me seguram a porta para passar.

Anónimo disse...

O cavalheirismo foi estrangulado & aniquilado pelas mulheres sem dúvida...se eu sou cavalheiro e se ela gostou do meu visual agradece e diz "Obrigado mas não vou para a cama contigo porque o meu namorado 'enche-me as medidas' e tenho orgasmos suficientes" ... eu digo "o quê? eu apenas fui simpático porque me faz sentir bem, é cerebral, e está provado que ser benevolente dispara hormonas no cerebro que acalmam e tornan-nos felizes sabe muito bem, quem falou em sexo?" ...ela: "ops mas os homens não estão sempre a pensar em sexo 24 horas por dia? logo todo o cavalheirismo é uma táctica para nos ir à cueca por isso tem de ser exterminado? os homens só pensam em sexo respiram sexo, sonham sexo, comem sexo, vestem-se sexo, sexo sexo ohhhhh sexo sexo sexo os homens so querem seeeeeeexoooooooo, nós não, nós nem gostamos de sexo as revistas femininas podem falar imenso de sexo mas por causa dos homens gostarem de sexo e nao por as mulheres gostarem de sexo porque nos gostamos de agradar os homens"... :) e por causa das taradonas das mulheres os homens desistiram de ser cavalheiros porque isso representa para elas um convite a ter sexo e os homens ficavam com a fama de tarados só porque se sentiam bem em ser protectores cavalheiros uteis.... Don Carlonne