quarta-feira, 3 de novembro de 2010

Conversa com o mano #2635

Eu: Um colega meu queixou-se que a namorada tinha cortado o cabelo, ele não tinha gostado, mas não sabia como o dizer. Por isso mentiu. E além de se sentir mal por tê-lo feito, queria que lhe explicássemos um modo de ele ser sincero mas sem a magoar. Nós não sabíamos. Aliás, chegámos à conclusão que esse era um problema que nunca teríamos. A maior parte de nós teria olhado para o namorado e dito sem hesitar "és um estúpido, olha o que foste fazer ao cabelo, estás horrível". E a parte grave nisto tudo, é que para a maior parte das mulheres, este tipo de frontalidade não é maldade, é normal! Eu não sei como é que vocês aturam isto!

Ele: Pois, sobretudo se pensarmos que há para aí sete mulheres para cada homem. Supostamente temos por onde escolher, mas aguentamos.

Eu: Mas não é justo, nós somos frias e directas, e cada vez tenho mais ideia que são as mulheres más que mantêm os homens por mais tempo! Nada disto faz sentido!!

Ele: Faz. A culpa é nossa.

Eu: Porque o permitem?

Ele: Não. Porque somos parvos. Asnos perfeitos.

10 comentários:

S* disse...

Efectivamente, nós somos assim más como as cobras. Dizemos logo que o gajo fica feio com a roupa X e o penteado Y. Mas se eles OUSAM criticar algo ficamos de trombas.

Francisco o Pensador disse...

Bem...Muitas vezes é também porque passamos a vida bêbados e nunca chegamos a perceber bem o que está acontecer à nossa volta.....hehehehe

:)))

Ultima Thule disse...

Bêbados de amor claro...

Cegos cegos de paixão.

O meu pai ensinou-me a ter a última palavra numa conversa com a cara-metade:

"Sim Querida".

Somos parvos? pois somos.

Patricia disse...

ao menos com consciência :P

Fatyly disse...

"Há sempre alguém para animar a malta..." e ri à gargalhada:)

Não...não são tão parvos e asnos como dizem ser:)

A Senhora dos Apartes disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
A Senhora dos apartes disse...

Não sei se percebi bem. A ver:

Algures, num sítio qualquer que eu desconheço, existe um homem que ficou preocupado, por ter ocultado à namorada, não gostar do recente corte de cabelo, a que, até pelo contrário, preferiu elogiar e que, por isso mesmo, estava em tal estado de angústia existencial, por falta de rigir à verdade, que pretendia mesmo o aconselhamento, quanto ao assunto, do mulherio que o rodeava?

No mesmo sítio, que desconheço obviamnte, o mulherio ficou ensarilhadinho, porque não sabia como ajudar, até porque, esse mesmo mulherio, partiria logo para a frontalidade dum “estúpido, olha o que foste fazer ao cabelo, estás horrível.”

Estamos a falar de sitio onde, pelo menos, um homem reparou que a namorada cortou o cabelo, não gosta, mente, e se mortifica, por isso, ao ponto de pedir ajuda a outras mulheres que, por sua vez, ao primeiro corte de cabelo mal sucedido de um namorado partem logo para o insulto e humilhação.

Pelo que me pareceu também, este partir para frontalidade é mesmo considerado o comportamento normal e expectável numa mulher, mesmo que envolva o escavacamento moral do objecto amado: o namorado. Comportamento que pela normalidade actual do mulherio não tinha qualquer maldade por trás.

O mesmo senhor angustiado invoca o argumento das 7 para um, que não estou, assim às primeiras, a perceber onde arranjou, e a título de: para quê incomodar-se, já que há tantas Marias na Terra.

No mesmo sítio, misterioso há ainda uma representante do sexo feminino que acha genericamente que as mulheres são frias e muito directas e que é a maldade o segredo da manutenção dos namorados. E tudo isto parece fazer sentido por que existe um representante da manwood que confessa desabridamente que, estes, são parvos e perfeitos asnos?

Ahh sua brincalhona. Isto é um teaser ao próximo Tarantino? Não?

P.S. a haver lugar assim, com estes protagonistas,que não algures num set do Tarantino, queira, por favor, informar-me. Merecer-me-á decerto um aparte, nem que seja a título de documentário de expedição da National Geographical Society a uma sociedade desconhecida da restante humanidade.

M.G. disse...

Eu achei lógica, a «ignorância sábia "dele"» :)

Anónimo disse...

Concordo!As más conseguem sempre!Não percebo!

Francisco o Pensador disse...

Bom, se dizem que as "más" conseguem, é porque elas não podem ser más de todo..