sexta-feira, 8 de outubro de 2010

A tal história da Nova Zelândia e dos filmes de terror (ou como eu vejo televisão a mais)

Por altura do Natal passado, um dos sítios por onde passei, foi pela Nova Zelândia, e um local que fiz questão de visitar, foram as praias onde foi gravado o filme O Piano, de Jane Campion. Fui contando mais ao menos por aqui aquilo que andava a fazer, mas acho que não cheguei a contar o episódio do senhor e da viagem pela floresta tropical.

O único modo de se chegar às tais praias, é atravessar as montanhas infindáveis e a fabulosa rainforest neozelandesa. E a única solução que encontrei para o fazer, foi alugar um surf shuttle, conduzido por um senhor extremamente simpático e absolutamente gigante. Facto número um, logo aqui, a prestar atenção: um senhor grande e fortíssimo com quem eu nunca conseguiria lutar, e incrivelmente simpático, que nos filmes eles são sempre simpáticos inicialmente para se conseguirem aproximar das vítimas. Mas lá fomos, a mãe e eu, sozinhas, de madrugada, bem cedinho, uma hora de caminho pela autoestrada com o senhor, e depois mais duas horas pela montanha, onde não se vê absolutamente nada nem ninguém, onde não há turistas, não há mais carros, não há rede no telemóvel, não há NADA! Aí trocámos olhares e pensámos as duas “bonito, duas mulheres sozinhas no outro lado do planeta, no meio da floresta, com um estranho gigante. Se nos acontecer alguma coisa ninguém sabe onde estamos!”. No início da montanha o nevoeiro era imenso, cinzento escuro, assustador, mas felizmente à medida que as horas foram passando o céu lá foi ficando mais claro. E o senhor sempre simpático.

Chegámos às praias, vimos aquilo tudo a pé, andámos quatro horas dentro da floresta, e regressámos ao ponto de encontro para voltarmos para a cidade. Tínhamos andado para aí uns 20 minutos numa estrada assustadora e estreita quando o senhor percebe que se tinha enganado e resolve fazer inversão de marcha, numa manobra em que eu acreditei mesmo que íamos cair ribanceira abaixo. Tinha-se enganado, dizia ele. Na realidade ele bem podia dizer ou fazer o que quisesse, nós não tínhamos a menor ideia de onde estávamos e só se viam árvores à volta! Pouco depois chegámos a uma estrada mais larga que me pareceu familiar, o senhor faz uma curva para a esquerda, e temos esta conversa:

Eu (a medo): Desculpe, mas eu tinha ideia que nós tínhamos vindo do outro lado, não devíamos ter virado à direita?
Senhor: Vou mostrar-vos um segredo.
Eu (a fingir um ar muito normal): A sério? Que giro, o quê?
Senhor: Uma coisa na floresta muito importante para o povo Maori mas que ninguém conhece.

Oi? Se ninguém conhece e não estava nos planos, deixe lá que nós passamos bem sem isso. Mas o senhor lá insistiu. Passam-se mais 15 minutos, e de repente vejo-o a meter a mão atrás do banco, a confirmar se lá tinha qualquer coisa. Quando olho para baixo, vejo aos meus pés três garrafões de gasolina e duas caixas com bobinas de fita adesiva. Aí é que o cenário me pareceu familiar. Na véspera de embarcar para a Austrália, tinha visto um filme de terror chamado Severance/Mutilados, em que uma mulher acabava presa a uma árvore com fita adesiva, regada com gasolina, e queimada viva. Pronto, deixei logo de achar piada à brincadeira. Eventualmente o senhor lá pára a carrinha no meio de uma estrada deserta e diz:

Senhor: Deixem tudo no carro e venham comigo.
Nós: Desculpe? Porquê? Onde?
Senhor: Já disse que é segredo, não tragam nada e saiam do carro.

A minha mãe só dizia “Não vamos Belota, não saímos daqui”. Mas lá a convenci, depois de discutir com o senhor que saía mas levava as coisas comigo. Mais não fosse dava jeito ter identificação quando encontrassem os nossos corpos 15 anos depois (piada parva, espero que a minha mãe não esteja a ler isto). Vamos até à entrada de um trilho com arbustos cerrados e o senhor a insistir “é por aqui, são só 10 minutos a pé”. Aí é que desistimos mesmo. Não se via nada para dentro das floresta, o senhor que não dizia o que nos queria mostrar, não passava ninguém naquela estrada horrível, e eu só pensava “bem, nós somos duas, será que conseguimos lutar com este homem enorme?”. Batemos com o pé e voltámos para a carrinha. O caminho de três horas até à cidade foi feito com o silêncio mais constrangedor de sempre. O senhor percebeu com toda a certeza que não confiávamos nele e que tínhamos tido medo. Só abriu a boca no final, enquanto saíamos, para dizer “era a árvore mais antiga da floresta, perderam uma coisa muito especial”. Eu confesso que quando ele disse isso respirei fundo. Era só uma árvore. Ok. Não era perigoso (vá, vamos acreditar que não era) mas também não tínhamos perdido nada do outro mundo. Pelo sim pelo não, decidi naquele momento que ia deixar de ver tantos filmes de terror.


As paisagens, a floresta, as praias, tudo aquilo compensou as dúvidas que tivemos. Posso seguramente afirmar, que essa pequena viagem foi das melhores coisas que já fiz na minha vida. Se alguém quiser repetir, falem comigo que eu tenho o contacto de um senhor grande e simpático que vos leva num surf shuttle... ;)

9 comentários:

o stressado disse...

Grande susto! Mas valeu a pena!?

Kahkba disse...

Cá para mim tornaste-te no cúmplice dele e queres angariar vítimas... Mais vale não arriscar ;)

Estou tentadíssima a seguir-te as pisadas !

Masquediabo disse...

Foi bom de ler.

Projecto de Blogger disse...

Ilha do sul? Marahau?

Anónimo disse...

acabaram por não ver a "arvore" do senhor gigante...tss tss....:D

ps*pensei que a historia metesse zombies...de desilusão...


doutorphil, sedento de...zombies

Belota disse...

Ilha do Norte, Waitakere Ranges, Piha e Karekare. Vale mesmo a pena!

Doutorphil, a história dos zombies era no senhor vestido de branco na autoestrada há uns post atrás. Já chega disso, não? Não posso apanhar sempre sustos de cada vez que saio à rua!

Tiago Rodrigues disse...

Boas Belota, fiquei fascinado com esta história e gostaria MUITO de a repetir, será que podias mandar me um e-mail com pormenores por favor?

Obrigado
Tiago

(Manda para: tiaguh_r_4@hotmail.com)

Anónimo disse...

Só uma árvore?!?! A árvore devia ser linda de morrer, gigante e não tens ideia do que muita gente pagaria para ver só essa árvore! Oh meu Deus... que privilégio! (mas ainda bem que há esses lugares secretos e onde não pomos os pés. são esses os lugares especiais do mundo ;))

Ah, e eu também teria tido muito medo :P eheheh!


Maria C.

Fatyly disse...

Realmente...não era para menos e o seguro morreu de velho.