terça-feira, 9 de dezembro de 2008

Não devia ser o contrário?

Quanto mais tempo passa, mais complicadas vão ficando as novas relações e mais complexas as novas pessoas que conhecemos. Não sei se é por já estarmos de pé atrás, por já não nos querermos esforçar, ou se simplesmente deixámos de acreditar que nos podemos voltar a apaixonar com a mesma intensidade de quando tínhamos 16 anos. Mas a verdade é que devia o ser contrário. O que me leva à conclusão que o amor é o oposto de tudo o resto na vida. Quanto mais experiência temos, menos sabemos. (ou menos queremos saber, o que se for o caso, me parece ainda mais grave)

7 comentários:

Vanda disse...

Cada vez chego mais a essas conclusões também...

Quero ter 18 outra vez!

Beijos

Anónimo disse...

Quanto mais tempo passa, mais medo temos de nos voltar a magoar...e aí tudo fica estupidamente mais complicado...

Rapunzel disse...

subscrevo!

caranguejo disse...

Literalmente....

A Conspiradora disse...

Não me parece que o aumento da complexidade das relações seja um factor negativo, apesar de tudo. Como dizem os outros, "nobody said it was easy"...
O problema é que levamos a adolescência a imaginar o mundo perfeito e depois quando caímos no mundo verdadeiro vemos que não era assim tão fácil e tão bonito e tão simples. Tens razão sobre o amor; quanto mais experiência temos, menos sabemos. E às vezes é uma chatice termos aquela sensação de a cada dia que passa estarmos a aprender tudo all over again.

Mas o que seria de nós sem os incómodos da vida? :)

pernas curtas disse...

Eu cá acho q nos tornamos mais exigentes...e daí a dificuldade!

Canto Definido disse...

As mulheres talvez se tornem mais cautelosas, sobretudo as que têm filhos e que viveram com alguém durante um período longo da sua vida, essas acabam sempre mal nos braços de um primeiro oportunista. Já a maior parte dos homens não se importa, o objectivo é sempre o mesmo...