sexta-feira, 24 de outubro de 2008

Relações à distância

Este post é especialmente dedicado:

- a mim, que em tempos fiquei a conhecer o aeroporto do Luxemburgo tão bem quanto a minha casa porque tinha um namorado francês;
- à minha amiga do Porto que viu o namorado ir viver para o Brasil;
- ao meu amigo de Lisboa que deixou a namorada ir para Angola;
- ao meu amigo de Cascais que deixou a mulher da vida dele no Canadá;
e em especial,
- ao meu amigo do Norte que está neste preciso momento a sofrer as consequências de uma relação à distância.


“A thousand miles seems pretty far
But they’ve got planes and trains and cars
I’d walk to you if I had no other way”

(se alguém tiver experiência de relações à distância que queira partilhar, estamos todos interessados...)

22 comentários:

Ruben disse...

Muito fixe a música...

Acho que a melhor parte nas relações a distância é o desejo de voltar a ver a nossa cara metade... Namorei com uma rapariga da Ericeira quando ainda vivia no Porto. Nunca fiz tantos quilómetros como naquele ano. Acabei por viver em Lisboa um pouco por causa dela. De qualquer forma, sempre soube que um dia ia deixar o porto. Ela apenas antecipou a minha mudança...

As relações a distância são boas enquanto ficam no seu estado de criação, ou seja "a distância". Tirando isso, são nitidamente para evitar... Demasiado sofrimento... :-/

Francisco del Mundo disse...

O menino do Norte agradecerá este post em sede própria...:) Mas aqui fica um beijo do meu tamanho, ou seja, do Mundo...

IandU disse...

As relações à distância são um Amor sem físico.

Testamos e vivemos na base da confiança. Essa confiança que tanto queremos para uma relação. Só está realmente nela quem quer estar. Senão não é uma relação, é outra coisa qualquer que não vale a pena dar um nome.

Não digo que gosto de relações à distância, mas gosto de saber que tenho que percorrer Km que poderia não estar a fazer, que poderia desistir a meio, e mesmo assim continuo a fazer.

As relações à distância são um teste constante.

Mas nenhuma sobrevive sempre o afecto de poder dar um abraço, um sorriso, um aroma.

Não são todos que as sabem ter. E mesmo quem sabe que sabe custa*

num relance disse...

não acabam por morrer?
talvez dependa do par
e da distância

eu, todos os fins de semana a caminho de Bruxelas, durante mais de 9 anos, todos os fins de semana... enfim, são coisas que doem, depois de doer acabou

Anónimo disse...

a distancia física está apenas na cabeça das pessoas...

mas os dois lados têm de sentir o mesmo e trabalhar nesse sentido

de outra maneira...

d

Pernas curtas disse...

Tive uma relação à distancia, e na altura li, algures, que a distancia está para o amor, como o vento para o fogo-" alimenta os mais fortes e apaga oa mais fracos"! o meu devia ser mesmo fraquinho, porque não resistiu mais de tres meses!!!!
Mas histórias à parte, acho que os amores à distancia se alimentão de ilusões, de ideias que concebemos da nossa imaginação...com a presença permanente da pessoa, concluimos que gostamos mais daquela imagem que criamos, do que propriamente aquela que de facto existe!
É só a minha opinião...espero que todos os teus amigos tenham mais sorte e que o vento alimente esse fogo...
Já agora Parabéns pelo blog!!!

Laredo disse...

Tenho uma opinião muito próxima das Pernas Curtas. Para além do que disse, acrescento que para mim, coisas à distãncia só por períodos relativamente curtos, e sabendo de antemão que ao fim de certo tempo a distância encurta necesariamente para mínimos aceitáveis, senão, não obrigado. E no caso de afastamento compulsivo, de longo duração, talvez mais valha ter a coragem de pôr um ponto final, e, aceitar que a vida dá tantas voltas, que ainda um dia se poderão encontrar de novo atrás dum poço...

Francisco del Mundo disse...

Respondi no meu canto!:D
Beijo

Lolita disse...

Estou à um ano numa relação á distância, ele tem que ficar a trabalhar em Lisboa durante 8 anos e eu estou acabar a licenciatura em Coimbra com intenção de ir para Lisboa para o ano fazer mestrado (um pouco também por causa dele) sim custa bastante, os km percorridos são muitos, e as saudades ainda maiores, mas sabe tão bem quando matamos as saudades, todos os bocadinhos são aproveitados ao máximo e dá-se muito mais valor a esses bocadinhos que muitas das vezes passam a correr. **

Sol disse...

Vim dar aqui por acaso...
As relações à distância da minha vida foram semelhantes à da Pernas Curtas...o vento apagou-as. Manteve-se no entanto a amizade.

Acredito que possa haver quem consiga ser mais forte que o vento e manter a chama, o interesse, a vontade, o desejo, a paixão e o amor em contínuo crescimento. Acredito também que os que o conseguem são cada vez mais raros. A esses felicito-os. Aos restantes... que as relações de curta distância floresçam.

Parabéns pelo blog.

Skywalker disse...

Ja tive relacoes a distancia e foram boas enquanto duraram. o que me custa mais e que muitas vezes as relacoes sem distancia sao muito mais dificeis.

Isabel disse...

Durante o primeiro ano em que nos conhecemos vivemos a 1600 km de distância. Viamos-nos quando podiamos, havia pouco dinheiro para as viagens ;-)

Passado 1 ano não era mais possivel ...

Larguei tudo e fui ter com ele :D

Hoje estamos casados há 15 anos e temos um menino lindo :D

Belota disse...

Bem, se todos tivémos relações à distância, deve ser porque compensam... É que todos nos queixamos, mas todos aceitámos esse tipo de relação, o que quer dizer que gostávamos mesmo das pessoas em questão... E isso é que é o mais importante, não a distância :)

Isabel, grande inspiração para todos :D

hershinha disse...

fiquei chateada quando li a opiniao da lolita que disse que está numa relação a distancia lisboa-coimbra...mas isso n é uma relação a distancia, tens meios d transporte para ir ter com ele quando quiseres ou puderes.
relações a distancia, no meu ponto de vista, têm como requisito no minimo dos mininos dois paises envolvidos e total impossibilidade de passar fds juntos!
essa relações só tem 2 maneiras de acabar: ou acabam pura e simplesmente, ou um dos participantes toma coragem e vai ter com o outro!

hershinha disse...

peço desculpa a lolita por ter "descarregado" nela apesar de outros pensarem da mm forma... não é nada contra, foi o nome que me ocorreu na altura de comentar...

poupinhas disse...

E Portugal - Timor?? Essa sim, nunca chegou a existir, não houve tempo suficiente.. ai se eu soubesse teria sido tudo tão diferente. Mas quem me manda a mim ser assim? Sonhadora
Beijo*

teribo disse...

valem relações terminadas à pouco tempo em q a distância de atravessar a cidade é tão mais dura como a relação à distância... :)

Marisa disse...

Concordo com hershinha...como não concordar? A realidade da minha relação é tão distante como a de Portugal à China! Além da distância e não possibilidade de usar carros, autocarros, comboios...ainda existe a distância de 8 horas de escala! A vontade de estarmos juntos e o nosso grande amor faz com que, ainda assim falamos 2 vezes por dia e sigamos a vida um do outro. A solidez da relação determina o seu futuro.

Larose disse...

Não há maior distância , quando é entre 4 paredes!

MAB disse...

Lisboa-Porto. Entrar naquela gare do oriente e vê-lo regressar depois dos 4 dias mais maravilhosos da minha vida doeu horrores. Já alguma vez te despediste de alguém sabendo que seria para sempre????

Bauni disse...

Ja passou assim muito tempo, mas achei que podia partilhar a mesma, tenho uma relacao de 2 anos, conhecendo o meu menino a 5 anos. Ele vive, trabalha e nasceu em NY, sendo que so fala ingles. Eu sou portuguesa e vivo em portugal, mas estive 8 meses da nossa relacao em angola, com net de 56k e chamadas de custos absurdos.

E ca estamos, a tratar da papelada, para eu me mudar para os EUA. E esta a ir, posso dozer de boca cheia, bastante bem.

E espero mesmo, que nada corra mal.

E o skype, o msn, o aim, o telefone, e as viagens e os pontos TAP.

E um beijinho a autora, que o blog me fez rir como ja nao ria a muito muito tempo *

Pandora disse...

Precisava mesmo de um tópico assim para comentar, conhecer a opinião de outras pessoas...
Comecei recentemente uma relação à distância e pude ver aqui reflexos dos meus sentimentos.
Penso que a maior diferença entre as nossas histórias é que eu sou bastante nova e ainda não controlo bem as minhas emoções.
De qualquer forma, tenho a perfeita noção de que encontrei a minha cara-metade, apesar das dificuldades logísticas. Não me estou a iludir, disso tenho certeza. Conheço todos os seus podres e vice-versa, sei que podemos construir algo belo, complementando-nos.
Mas sou humana e queria conhecer alguém que partilhasse a minha dor, por mais egoísta que isso seja.