sexta-feira, 9 de maio de 2014

A Belota e esta coisa de criar pessoas de raíz

No Domingo passado tive vontade de vir escrever no blog. Senti que era a pessoa mais importante do mundo e que toda a gente, em todos os cantinhos do planeta, assinalava o meu maior feito. Celebrei o meu primeiro dia da mãe como mãe.
Depois de não sei quantos anos por aqui a dar e receber conselhos sobre saídas, engates, visões femininas e masculinas do mundo, e o fantástico (leia-se chanfrado) universo das relações amorosas, dei por mim com uma Belotinha de dois meses e meio nos braços.
E podia dizer "a minha vida mudou radicalmente". E mudou. Mas não no sentido de que deixei de fazer as coisas que fazia antes ou que prescindi de mim e da minha vida habitual. O que aconteceu foi que as coisas passaram a ter outro sentido. O computador avariou com projectos e as histórias dos últimos anos lá dentro, o telemóvel ficou submerso debaixo de uma garrafa de água (pai, a culpa não foi minha!) e perdeu notas e imagens, e, de repente, nada disso interessa, porque olho para pai e filha e tudo o que preciso está ali. E eu que nunca tinha pensado muito em ter filhos e que nem em pequena brincava aos pais e às mães (enfim, pelo menos não da forma mais correcta). E agora é isto que se vê!
Nesta casa trocam-se as fraldas em cima da mesa de snooker (que sirva para alguma coisa além de roubar o espaço da mesa de jantar), leva-se a criança ao pediatra com a roupa e a touca enfiadas aos contrário (isto da roupa de bebé é uma aventura), chama-se sra. engenheira à enfermeira do curso pré e pós-parto (tivemos a casa em obras durante muito tempo) e veterinária à pediatra (tive cão durante 10 anos, o bebé é novidade). E faz-se tudo isto com o maior dos sorrisos.
Quem seguiu este blog conhece o meu pai em toda a sua genialidade (e disparate) e depois há ainda a minha mãe, que é o melhor exemplo e a melhor do mundo. E vê-la com esta coisinha nova e pequenina nos braços, enquanto lhe sussurra com um sorriso o Frère Jacques, aquece-me todos os bocadinhos do coração. O Domingo que passou foi dia da mãe. De todas as mães. E foi o meu primeiro.
Por aqui o copo não está nem meio cheio nem meio vazio. Está a transbordar. De felicidade. E às vezes apetece-me vir cá contar.


To Hell with the world. I can make my own people! - Jerry Seinfeld

15 comentários:

Fada disse...

:D

Parabéns a todos, querida! :)

Beijos grandes e muitas felicidades!

Cantinho da Bê disse...

Parabéns pelo primeiro de tantos :-)

Paula disse...

Parabéns! Tinha saudades de te ler (:

AnonimousLady disse...

Eiiii que fixeeee! :) fico tao feliz por teres vindo partilhar aqui!Volta a escrever mais vezes! :) <3 muitas felicidades!!

Menina do Mar disse...

Parabens!! Mtas felicidades! É tao bom saber novidades assim fofinhas da minha "familia" de blogs q li durante tanto tempo...

Ana A. disse...

Saudades tuas, Belota!
Parabéns!
E volta, tenho mesmo saudades de te ler.

A Mais Picante disse...

Espero que isto signifique que está de volta. A sua falta fez-se sentir.
(e muitos parabéns e felicidades e isso..)

mundoameuspés disse...

Ah como já tinha saudades de te ler!
Parabéns e felicidades :)

Anónimo disse...

Parabéns!

Anónimo disse...

É realmente um prazer voltar a le-la!
Que saudades!!
E ja agora mts parabens mamã! :)

Saltos Altos Vermelhos disse...

Oh pá que saudadesssssss! Então quer dizer que estás no lado de cá da maternidade! Volta ;)

Saltos Altos Vermelhos disse...

Oh pá que saudadesssssss! Então quer dizer que estás no lado de cá da maternidade! Volta ;)

M disse...

Que saudades!!
Muitos parabéns!
Volta sempre que puderes (:
Beijinho

Anónimo disse...

E consegues sobreviver sem pedires conselhos à mais doce? Tu vê lá não estejas a criar o bebé mal.
as maiores felicidades para ti e ele.

Anónimo disse...

welcome back B!